APDH no Outono | Encontros e Conferências

APDH no Outono | Encontros e Conferências
29 e 30 | Novembro | 2013
Texto: Carlos Gamito | carlos.gamito@iol.pt
Fotografia: Vasco Nunes e APDH
Paginação e Grafismo: Marisa Cristino

 

 

A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Hospitalar (APDH), em parceria com a Direcção-Geral da Saúde (DGS), ergueu o seu maior evento científico realizado em 2013.

“APDH no Outono – Encontros e Conferências”, foi o título atribuído às sessões de trabalho que decorreram nos auditórios do Edifício Egas Moniz da Faculdade de Medicina de Lisboa, entre os dias 29 e 30 de Novembro de 2013.
O dia 29 foi subordinado à temática “Conferência – Segurança nos Cuidados de Saúde – Pilar Essencial da Qualidade”. Assistimos a uma ampla jornada constituída por Mesas Redondas participadas por oradores nacionais e estrangeiros onde foram abordadas e debatidas matérias que encerraram a apresentação de novas experiências vivenciadas pelos profissionais de saúde que tomaram assento nas várias Mesas.

O dia 30 foi inteiramente reservado à “7.ª Edição dos Prémios de Boas Práticas em Saúde – Qualidade e Inovação”, assunto que destacamos mais adiante.

A Profª. Doutora Ana Escoval, Presidente da APDH, usou da palavra e deu início à sessão de trabalhos. Foram palavras de circunstância mas que expressaram a sólida responsabilidade altruísta desta docente da Escola Nacional Superior de Saúde Pública – Universidade Nova de Lisboa. Transcrevemos algumas passagens da sua prédica:
Endereço o meu agradecimento à Direcção da Faculdade de Medicina de Lisboa da Universidade de Lisboa, na pessoa do Senhor Prof. Doutor Fernandes e Fernandes, por nos ter propiciado este espaço académico para a realização desta primeira edição dos denominados “Encontros de Outono”, organizados pela Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Hospitalar e pela Direcção-Geral da Saúde. O programa para este primeiro dia de trabalhos tem como objectivo distinguir e aprofundar algumas das temáticas consideradas mais importantes para os serviços de saúde, para os hospitais e naturalmente na senda da estratégia da qualidade. Amanhã, dia 30, irá decorrer a 7.ª edição do “Prémio de Boas Práticas em Saúde”, sendo esta uma iniciativa conjunta da APDH, da DGS e também da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) e das Administrações Regionais de Saúde (ARS). Estes encontros destinam-se a dirigentes; docentes universitários com interesse nesta área; médicos; investigadores; enfermeiros; técnicos; administradores hospitalares; estudantes em licenciaturas e pós-graduações em Ciências da Saúde, mas também gostaríamos muito de contar com a presença de Associações de Doentes e cidadãos em geral, isto porque é de extrema importância a participação das populações no processo de construção da verdadeira qualidade em saúde.

A Professora Ana Escoval terminou o seu discurso com um agradecimento público ao Dr. Alexandre Diniz, Director da Qualidade na Saúde da DGS, pela disponibilidade demonstrada por este alto responsável em conduzir a conferência proferida pelo Dr. Jean Bacou, a quem a Presidente da APDH endereçou uma sentida palavra de reconhecimento pelo inestimável contributo oferecido a estes “Encontros de Outono”.

A CONFERÊNCIA PROFERIDA PELO DR. JEAN BACOU

JEAN BACOU, ALTA AUTORIDADE DA SAÚDE (HAS), PASQ – REDE EUROPEIA PARA A SEGURANÇA DOS DOENTES E DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE SAÚDE, COORDENADOR.
A ACÇÃO CONJUNTA PASQ (REDE EUROPEIA PARA A SEGURANÇA DOS DOENTES E DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE SAÚDE) INTERCÂMBIO E “BOAS PRÁTICAS PARA A SEGURANÇA DO DOENTE” E DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE SAÚDE NOS PAÍSES DA UNIÃO EUROPEIA.

O Dr. Jean Bacou, individualidade acima apresentada, escorado em documentativos diapositivos – abaixo publicados – proferiu uma conferência que, em versão traduzida, aqui deixamos alguns excertos:
Esta comunicação, supervisionada pela Croácia, avaliada, ligada e conectada pela Grécia, integra também as quatro redes que estão envolvidas na parte científica do projecto que conta com o pacote de trabalho nº. 4, este liderado pela Dinamarca no que concerne às “Boas Práticas de Saúde para a Segurança do Doente”. Depois temos o pacote de trabalho nº. 5, o qual visa a complementaridade das “Boas Práticas de Saúde para a Segurança do Doente”, sob a liderança da Alemanha. O pacote de saúde nº. 6, respeitante à organização e intercâmbio das “Boas Práticas de Saúde para a Segurança do Doente”, é liderado pela Espanha.

Assim, um dos principais objectivos desta rede é a promoção e o desenvolvimento das redes nacionais, envolvendo todas as diferentes práticas no campo da segurança e da qualidade dos cuidados de saúde. À volta deste projecto estão envolvidos todos os estados membros, aproximadamente sessenta e dois parceiros com cerca de duzentos colaboradores espalhados pela Europa. É um projecto de três anos, com um custo que rondará os seis milhões de euros.
Este é o plano de trabalho que iniciámos a 1 de Abril de 2012 e que terminaremos a 1 de Abril de 2015, cabendo adiantar que nos encontramos agora numa fase de implementação, a qual durará cerca de ano e meio.
Assim, e como é habitual, teremos que trabalhar e tentar definir qual a principal informação que conseguiremos obter.
No início do projecto, tínhamos que definir o principal conceito e os termos que iríamos usar ao longo deste projecto, depois tínhamos a implementação que teria uma fase de existência entre Outubro de 2014 e o início de 2015.

Ver diapositivos

ENCERRAMENTO DO 1.º DIA DE TRABALHOS


Como acima referimos, o primeiro dia do evento foi integralmente preenchido com apresentações que versaram várias matérias debatidas nas respectivas Mesas Redondas.

O Professor Fernandes e Fernandes, Director da Faculdade de Medicina de Lisboa, encerrou os trabalhos e fez uma breve intervenção onde referiu a importância destas jornadas como suporte da formação dos futuros médicos, e terminou a sublinhar que a APDH pode contar com todo o apoio da Faculdade de Medicina de Lisboa.

De modo a oferecermos uma informação mais consolidada, interpelámos o Professor Fernandes e Fernandes que nos avançou: «Sim, o apoio da Faculdade será incondicional para a realização deste tipo de evento, mas também quero adiantar que as Faculdades de Medicina são parceiros essenciais no sistema de saúde e na definição das políticas que encerrem o factor saúde. É importante dar a saber que as Faculdades de Medicina estão profundamente empenhadas na qualidade da formação dos profissionais, na criação de hábitos de estudo, de aprendizagem e de dever de competência, o que nos levou a acolher com muita satisfação este evento que, e sublinho, continuaremos a fazê-lo sempre que entenderem, isto como forma de demonstrarmos o nosso empenho em contribuir para o desenvolvimento da saúde em Portugal».

2.º E ÚLTIMO DIA DE TRABALHOS

Nascera o dia 30 de Novembro de 2013 e com ele nasceu a enorme expectativa das cerca de quatro dezenas de equipas que submeteram a votos os seus projectos através da apresentação oral, no Encontro ou em forma de poster, na exposição de posters.

Dos onze projectos apresentados em sala, a um deles seria atribuído o “Prémio de Boas Práticas em Saúde”, mas só a votação ditaria o seu vencedor, momento que a organização reservou para o período da tarde.

Os projectos selecionados para atribuição do referido Prémio foram:

• Organização aprendente - USF Marginal - CS Cascais;
• CODU - Sistema de chamadas e novo algoritmo do sistema de triagem – INEM;
• Implementação do método de reposição por níveis em armazéns avançados (AAv) - Centro Hospitalar Médio Tejo;
• Sinergias no Cuidar - Projecto de Intervenção na Comunidade na Área de Saúde Mental e Psiquiatria - ACES Central Algarve;
• Estratégia para controlo do staphylococcus aureus com resistência à meticilina (MRSA) num hospital de cuidados agudos - ULS Matosinhos;
• Cuidados respiratórios domiciliários - ACES Gondomar;
• Projectar o futuro: 15 anos de controlo do staphylococcus aureus com resistência à meticilina (MRSA) - Hospital do SAMS;
• Nascer e crescer saudável - ACES Alentejo Central;
• Uma abordagem conjunta da doença nos concelhos de Amadora e Sintra - Hospital Fernando Fonseca, ACES Amadora, Cacém-Queluz, Algueirão Rio de Mouro, Sintra-Mafra;
• Banco de aluguer de produto de apoio - Centro Hospitalar da Cova da Beira;
• Operacionalização do Programa Regional de Controlo da Dor – Direção Regional de Saúde do Governo dos Açores.

Por ser de pleno direito, publicamos aqui igualmente a lista de todos os projectos que foram apresentados em poster:

• Avaliação da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem ao Doente Dependente – Centro Hospitalar Lisboa Ocidental (Hospital Egas Moniz);
• Prevenção de Quedas no Doente Internado – Centro Hospitalar Lisboa Ocidental (Hospital Egas Moniz);
• Problemática do Alcoolismo – ULS da Guarda (Unidade de Cuidados na Comunidade do Centro de Saúde de Seia);
• Identificação Correta do Doente em Ambiente Hospitalar – Centro Hospitalar Cova da Beira, EPE;
• Política do Medicamento – Misericórdia de Águeda;
• Implementação do Boletim Individual de Exposição Médica à Radiação Ionizante na População do Algarve, Serviço de Radiologia do ACES Central/Unidade Funcional de Faro;
• A Maternidade mais Próxima da Comunidade – ULS Norte Alentejano;
• Bem-Me-Ker – IPO Porto;
• Sustentabilidade em Medicina Transfusional – Centro Hospitalar S. João;
• Rastreio em Larga Escala de Factores Ambliogénicos na Criança – Centro Hospitalar Entre Douro e Vouga;
• A emergência Começa em Si – INEM;
• Avaliação, Proposta de Solução e Implementação de um Sistema de Gestão de Dispositivos Electrónicos de Perfusão (DEP’s) que Promova a Segurança do Doente – Centro Hospitalar Lisboa Central;
• Transporte Inter-Hospitalar Pediátrico – INEM;
• Construção e Validação da Escala de Avaliação do Risco de Queda da Criança Hospitalizada “Sempre em Pé” – ULS Matosinhos;
• Projecto ICE 2-Produção de Manual para Formação dos Cuidadores Informais – Escola de Enfermagem de Angra Heroísmo;
• Acreditação CODU/Meios – INEM;
• Educar em Salas de Espera – Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal;
• Implementação de um Programa de Melhoria da Qualidade e Acreditação do Centro Hospitalar Lisboa Central – Centro Hospitalar Lisboa Central;
• Parcerias entre os Cuidados de Saúde Primários e o Serviço de Hematologia do Hospital de S. João – Hospital de S. João;
• Viver Melhor – Obesidade na Adolescência – ULS de Castelo Branco;
• Implementação de um Sistema de Relato de Incidentes e Aprendizagem – Centro Hospitalar Lisboa Central;
• Partilha de Meios Aéreos – INEM;
• Transporte Inter-Hospitalar de Doentes Críticos – INEM;
• Stop Quedas – Centro Hospitalar Lisboa Central;
• Hipocoagulação - Cuidados de Excelência – USF Além Douro;
• Projecto de Vigilância Epidemiológica Integrado e Intersectorial de Agentes e seus Vectores Unidade de Saúde Pública – ULS Alentejo Litoral.

MOMENTO MUSICAL

 

Mas ainda antes do anúncio dos vencedores, assistimos a um momento musical protagonizado por quatro jovens músicos que, ao contrário da habitual actuação em palco, circulavam desordenadamente e separados entre si por entre as alas do anfiteatro.

Os sons melodiosos, esses iam sendo emprestados por instrumentos incomuns e produzidos pela arte de um qualquer dotado artesão.

Com as vozes muitíssimo bem coordenadas entre os quatro, solfejaram cânticos de orfeão que iam rasgando o sepulcral silêncio a que se remetera a assistência.

Mas a assistência, por força dos harmoniosos acordes desamarrados pelos quatro artistas, foi, com passinhos curtos, acompanhando e entoando as sonâncias que abrilhantaram a ocasião.

As demoradas ovações, essas foram feitas com todos os congressistas de pé.

Foi bonito. Muito bonito.

O ANÚNCIO DOS PROJECTOS VENCEDORES

Para trás tinha ficado o eco do brilhante momento musical, até que finalmente soou o tão almejado anúncio dos projectos vencedores do “Prémio de Boas Práticas em Saúde”.

E o júri ditou assim a distribuição dos galardões:

Menção Honrosa para Melhor Poster Científico
Projecto: STOP Quedas: Programa de Gestão e Controlo das Quedas de Doentes em Ambiente Hospitalar.
Instituição: Centro Hospitalar de Lisboa Central
Responsável: Susana Maria Sardinha Vieira Ramos
Ver poster

Prémio de Melhor Poster Científico
Projecto: Política do Medicamento
Instituição: Santa Casa da Misericórdia de Águeda
Responsável: Clara Marisa da Silva Correia
Ver poster

Menção Honrosa
Projecto: Organização Aprendente - USF Marginal
Instituição: USF Marginal
Apresentado por: Tiago Santos Freitas Carneiro
Ver Diapositivos

1º Prémio
Projecto: Uma Abordagem Conjunta da Doença nos Concelhos de Amadora e Sintra
Instituição: Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, ACES Amadora, Cacém-Queluz, Algueirão-Rio de Mouro, Sintra-Mafra
Apresentado por: Maria Teresa Pinto Esteves Maia Correia
Ver Diapositivos


A VOZ E O PULSAR DA REPRESENTANTE E 1.ª AUTORA DO PROJECTO APRESENTADO PELA EQUIPA VENCEDORA

 


O momento era naturalmente de acentuado regozijo, e a testemunhá-lo eis as palavras deixadas pela representante da equipa de trabalho a quem foi atribuído o “Prémio de Boas Práticas em Saúde” desta 7.ª edição.

«Chamo-me Teresa Maia, sou médica psiquiatra no Hospital Fernando Fonseca e sou a primeira autora deste projecto realizado em conjunto com os meus colegas, respectivamente a Dra. Violeta Pimpão, Dra. Teresa Costa e o Dr. Rafic Ali Nordin. Este projecto corresponde a um trabalho que iniciámos em 2011, data em que eu desempenhava o cargo de Directora Clínica do Hospital e os meus colegas eram responsáveis pelos Conselhos Clínicos dos ACES Amadora, Rio de Mouro, Cacém-Queluz e também do ACE Sintra-Mafra».

Acerca do conteúdo e objectivos do trabalho, a Dra. Teresa Maia explicou-nos: «O nosso trabalho assentou fundamentalmente na demonstração de como é possível os cuidados de saúde hospitalares e os cuidados de saúde primários trabalharem em conjunto. Como? Criando grupos de trabalho que identifiquem problemas e que trabalhem de acordo com os recursos disponíveis. Foi desta forma e trabalhando com as condições que tínhamos que melhorámos o nosso nível de funcionamento, melhorámos a acessibilidade dos doentes aos vários níveis de cuidados e melhorámos as respostas no seu todo».

Instada sobre o sentimento que estava a viver ante a entrega do prestigiante galardão que acabara de receber, a Dra. Teresa Maia foi objectiva: «O sentimento é de profunda alegria, um enorme orgulho mas também o sentir de uma grande responsabilidade». E com um sorriso bem demonstrativo do pulsar desse mesmo sentimento, a Dra. Teresa Maia concluiu: «Sentimos que este projecto demonstrou que é inteiramente possível, que pode ser sustentável e que pode e deve ser continuado».


“A APDH ESTÁ EMPENHADA EM CRIAR ESPAÇOS DE PARTILHA E DE REFLEXÃO SOBRE O SABER E O CONHECIMENTO”, palavras da Prof.ª Doutora Ana Escoval

Com o final do dia 30 de Novembro de 2013 estava encontrada mais uma data a inscrever nas páginas da APDH, e este nosso trabalho que reportou o excelente evento denominado “APDH no Outono” só podia terminar com uma breve mas ilustrativa entrevista feita à Prof.ª Doutora Ana Escoval, Presidente da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Hospitalar.

Atentemos às palavras da Professora: «Para mim este é um momento de grande valor pese embora já repetido ao longo dos anos, isto atendendo a que esta foi a 7.ª edição da atribuição dos Prémios de Boas Práticas em Saúde. Mas sobretudo é um momento que nos mostra os projectos de investigação realizados no terreno e que nos faz sentir que as pessoas envolvidas todos os dias fazem o melhor que sabem e podem, para depois apresentarem esses mesmos projectos e procurarem ver reconhecido o seu trabalho – muitas vezes realizado em condições muito difíceis –, mas que nem sempre é merecedor de reconhecimento. Pelos nossos doentes e pelos nossos profissionais de saúde, considero este momento como um dos mais bonitos que conseguimos construir em Portugal».

A intensidade dos dois dias de trabalhos e considerando toda a exaustiva preparação que culminou no êxito de mais este notável evento, levou-nos a instar a Professora onde esconde a fonte que lhe fornece tanta energia a nível físico, anímico e intelectual. Com um rasgado sorriso a ornar a visível satisfação, eis a resposta que registámos: «Essa fonte são as pessoas. Gosto muito das pessoas, e entendo que todos, sem excepção, merecem que nós estejamos sempre com todos. Todos são merecedores dos nossos esforços, e daí o empenho da APDH em criar espaços de partilha e de reflexão sobre o Saber e o Conhecimento».

E terminamos com a derradeira informação que espelha o sucesso desta acção conjunta APDH/DGS. Os números reflectem esse sucesso: foram aproximadamente quatrocentos (400) congressistas que estiveram presentes no evento “APDH no Outono”.

Pré-visualizaçãoAnexoTamanho
APDH NO OUTONO.pdf937.08 KB